Visiting the amazon rainforest can be an unforgettable adventure and the most relaxing holiday you can imagine.travel lodges amazon river tours amazon rainforest tours amazon eco tours plants that live in the amazon rainforest Our travel club offers you a variety of ecotours planned to take you into the most exotic and unique experience inside peruvian tropical rainforest, come fishing into the majestic amazon river, one of the seven world's natural wonderamazon river tours peru amazon river vacation amazon river vacations amazon contact us dangerous plants in the amazon rainforest where inhabit the most abundant animal wildlife and plant biodiversity. We will host you in our travel lodge a rustic wooden camp but comfortable enough to admire wonderful naturalamazon rainforest trips amazon rainforest holidays amazon rainforest tour amazon river tour amazon king lodge cheap travel lodge amazon eco tours & lodge trips to the amazon rainforest landscapes, where nothing but 20 meters separate us from the sounds of the quieting jungle. amazon rainforest holiday eco tours peru cheap holidays to peru amazon river trip rare animals in the amazon rainforest It's both a chilling and exhilarating sensation, hearing but not seeing the wild animals that roam outside. amazon river culture amazon rainforest ecotourism amazon river holidays amazon river tours brazil amazon river travel ecotourism amazon rainforest eco tours The Amazon River is one of the largest rivers of the world and the greatest river of South America. It is 4,000 miles long, about 6,400 km. It is the second largest river in the world and the flow is the world largest by far. It is also one of the deepest rivers. Beginning in the high Andes Mountains in Peru, it flows to Atlantic Ocean through Venezuela, Ecuador, Colombia, Bolivia, Guiana, Suriname and Brazil. french guiana vacations amazon rainforest tourism amazon river trips cheap tours to peru travel the amazon amazon rainforest trip These river systems in these five countries are called the Upper Amazon. So far, the Amazon River proper flows mostly in Peru and Brazil. The Amazon River was discovered by Franisco de Orellana, who is an explorer, in 1541 after descending the river from Quito, Ecuador, to the Atlantic, visit amazon rainforest boras vacations cheap lodges visit the amazon rainforest best eco tours holidays in the amazon rainforest Orellana claimed to have seen women tribal warriors, and he named the river Amazonas for the women warriors of Greek mythology. The Amazon is a good place to Explore and Tour. More than one-third of all species in the world live in the Amazon Rainforest. Moreover, the Amazon River has over 3,000 recognized species of fish and ecotours brazil best amazon tours amazon river tribes brazil rainforest tours that number is still growing. However, fishing might reduce the number of fishes in this river. The Amazon River is a natural wonder of the world. It is not only a largest river, it is also the deepest river of the world. Thus, it is very easy for boating and shipping. amazon rainforest vacation amazon rainforest vacations amazon river plants holiday to amazon rainforest So trading between countries will be easier. The Amazon River also used for drinking and bathing.
LOGO
Prostituição e reivindicações de direitos putafeminista Full view

Prostituição e reivindicações de direitos

Textos de Caia Coelho.

Vamos falar sobre PL Gabriela Leite sem apelo à palavras como ‘proxenetismo’? Atualmente, no Brasil, é proibida qualquer tipo de prática que seja considerada ‘facilitação da prostituição’. Isso significa que a organização sindical de prostitutas pode entrar nesse quadro, assim como qualquer dinâmica que vise a segurança da trabalhadora sexual no exercício da profissão.

Quer um exemplo dessa dinâmica? Por causa do frio ou da violência, três prostitutas se juntam e alugam um apartamento de dois quartos. A primeira e a segunda trabalhariam e a terceira ‘organizaria o caixa’, recebendo pagamentos, passando troco… É justo quem está no caixa ficar sem receber por um dia de trabalho? Eu não acho, mas a lei atual não só acha, como a classifica penalmente como ‘exploradora do trabalho sexual’, ou nas palavras das abolicionistas e do senso comum, como uma cafetina.

O objetivo do projeto é permitir o reconhecimento de prostitutas enquanto trabalhadoras e, portanto, a organização de ordem sindical, além de regularizar as casas de prostituição, mantendo a criminalização da exploração sexual. Esse segundo ponto muitas vezes é mal interpretado como ‘regulamentação da cafetinagem’. Isso eu faço questão de desmentir.

Na verdade, o PL Gabriela Leite entende que uma prostituta trabalhando em condições salubres, com iluminação, água e um caixa para receber o dinheiro, garante à profissional do sexo uma segurança com a qual atualmente ela não conta, nem pode contar sem ser criminalizada por isso.

Para isso, o texto define o percentual de 50% para as demandas econômicas da casa: aluguel, água, telefone… A partir desse percentual, se estabelece um limite que é referência na definição do que é exploração e o que é trabalho. Há quem questione ser um número muito alto, acho até válido, mas chamar de cafetinagem e encerrar a discussão aí é simplista e se utiliza unicamente da carga emocional associada a essa palavra.

***

Abolicionista – “a gente precisa acabar com a rede de prostituição infantil”.

Eu – Sim, a gente precisa acabar com o trabalho infantil, to-dos eles, e com a pedofilia. O que você tá fazendo por isso? Querendo criminalizar a prostituição no geral? Se você defende isso, seja coerente e também reivindique a criminalização do trabalho em fábricas, depósitos e do trabalho doméstico. Seria uma baita irresponsabilidade, mas por que não faz isso?

Lembrando que já existem leis no Brasil proibindo o trabalho infantil e a pedofilia. O que falta para elas funcionarem na prática? Se estamos engajadas contra a rede de crianças em situação de prostituição, precisamos ter preocupações como essas. Mas é inadmissível se utilizar disso para deixar mulheres adultas ainda mais vulneráveis ou para impedir a aprovação/execução de projetos elaborados por prostitutas.

Como diz a Morganne Merteuil, líder da Strasse (syndicat du travail sexuel da França), “eu entendo a ideia de abolir o capitalismo, as estruturas classistas, as dinâmicas de gênero e de raça, todos os tipos de exploração. Por um lado, eu entendo a perspectiva sindicalista de que buscar melhorar as condições de trabalho daqueles que são explorados, incluindo as trabalhadoras sexuais. Claro que faz sentido, por sua vez, “abolir” uma indústria específica – como a nuclear ou a de armamentos –, ao menos no que diz respeito a interromper a produção dessas mercadorias. Mas no que diz respeito ao trabalho sexual, dada sua dimensão sexual específica e dado o fato de que ele não participa diretamente na produção de mercadorias, mas sim na reprodução humana a partir de trabalhos de caráter emocional e íntimo, parece muito difícil imaginar que esse trabalho não seja mercantilizado – ainda mais se considerarmos a atual organização da sociedade, especialmente no que se referem a essas áreas, muito dominadas ainda por dinâmicas de classe, gênero e raça”.

Imagem: Georgina Orellano Ammar.

Written by Beatriz

Related Articles

Leave a comment