Visiting the amazon rainforest can be an unforgettable adventure and the most relaxing holiday you can imagine.travel lodges amazon river tours amazon rainforest tours amazon eco tours plants that live in the amazon rainforest Our travel club offers you a variety of ecotours planned to take you into the most exotic and unique experience inside peruvian tropical rainforest, come fishing into the majestic amazon river, one of the seven world's natural wonderamazon river tours peru amazon river vacation amazon river vacations amazon contact us dangerous plants in the amazon rainforest where inhabit the most abundant animal wildlife and plant biodiversity. We will host you in our travel lodge a rustic wooden camp but comfortable enough to admire wonderful naturalamazon rainforest trips amazon rainforest holidays amazon rainforest tour amazon river tour amazon king lodge cheap travel lodge amazon eco tours & lodge trips to the amazon rainforest landscapes, where nothing but 20 meters separate us from the sounds of the quieting jungle. amazon rainforest holiday eco tours peru cheap holidays to peru amazon river trip rare animals in the amazon rainforest It's both a chilling and exhilarating sensation, hearing but not seeing the wild animals that roam outside. amazon river culture amazon rainforest ecotourism amazon river holidays amazon river tours brazil amazon river travel ecotourism amazon rainforest eco tours The Amazon River is one of the largest rivers of the world and the greatest river of South America. It is 4,000 miles long, about 6,400 km. It is the second largest river in the world and the flow is the world largest by far. It is also one of the deepest rivers. Beginning in the high Andes Mountains in Peru, it flows to Atlantic Ocean through Venezuela, Ecuador, Colombia, Bolivia, Guiana, Suriname and Brazil. french guiana vacations amazon rainforest tourism amazon river trips cheap tours to peru travel the amazon amazon rainforest trip These river systems in these five countries are called the Upper Amazon. So far, the Amazon River proper flows mostly in Peru and Brazil. The Amazon River was discovered by Franisco de Orellana, who is an explorer, in 1541 after descending the river from Quito, Ecuador, to the Atlantic, visit amazon rainforest boras vacations cheap lodges visit the amazon rainforest best eco tours holidays in the amazon rainforest Orellana claimed to have seen women tribal warriors, and he named the river Amazonas for the women warriors of Greek mythology. The Amazon is a good place to Explore and Tour. More than one-third of all species in the world live in the Amazon Rainforest. Moreover, the Amazon River has over 3,000 recognized species of fish and ecotours brazil best amazon tours amazon river tribes brazil rainforest tours that number is still growing. However, fishing might reduce the number of fishes in this river. The Amazon River is a natural wonder of the world. It is not only a largest river, it is also the deepest river of the world. Thus, it is very easy for boating and shipping. amazon rainforest vacation amazon rainforest vacations amazon river plants holiday to amazon rainforest So trading between countries will be easier. The Amazon River also used for drinking and bathing.
LOGO
  • Home  /
  • Academico   /
  • Sobre “isso é só falta de informação” ou “intolerância com erro dos outros”
Sobre “isso é só falta de informação” ou “intolerância com erro dos outros” cristo ray Full view

Sobre “isso é só falta de informação” ou “intolerância com erro dos outros”

Texto de Caia Coelho.

Sobre “isso é só falta de informação” ou “intolerância com erro dos outros”

O erro é uma desobediência à regra. Isso faz dele inofensivo porque a norma seria capaz de regular, a partir das suas tutelas, quanto esse erro afetaria a sobrevivência da comunidade.

Por “normas”, não estou falando de leis, necessariamente. Embora também se aplique às leis, estou pensando no conjunto de regras e mensagens culturais utilizadas na maior parte das sociedades.

A violência hegemônica não é um erro.

No caso das leis explicitamente violentas, elas tomam suas proporções conforme vão sendo operadas por indivíduos que passaram a acreditar não apenas na eficácia da legalidade, como também que são os próprios legisladores da sociedade.

Na análise de Hannah Arendt sobre o julgamento de Eichmann, ela desenvolve o conceito de banalidade do mal porque percebe que há, nos atos dos operários do regime nazista, um mero cumprimento das ordens e normas vigentes, mesmo se as consequências dessa obediência fossem conhecidas.

“Assim como a lei dos países civilizados pressupõe que a voz da consciência de todo mundo dita ‘não matarás’, mesmo que o desejo e os pendores do homem natural sejam às vezes assassinos, assim a lei da terra de Hitler ditava à consciência de todos: “matarás!” (…). No III Reich o Mal perdera a qualidade pela qual a maioria das pessoas é capaz de reconhecê-lo: a tentação. Muitos alemães nazistas, a maioria deles, foram tentados a não matar, a não deixar seus vizinhos partirem para a destruição (pois eles sabiam que os judeus estavam sendo transportados para a destruição, é claro mesmo que a maioria deles não tenha sabido dos terríveis detalhes), não se tornarem cúmplices desses crimes, tirando proveito deles”.

Quando a autora, no contexto pós-guerra, reconhece o “não matarás” como a “lei dos países civilizados”, perdeu de vista um sentido oculto desse Estado que diz: “mataremos por você”.

Nesse momento da história, na maior parte do mundo, o genocídio deixa de ser uma pratica que conta com a colaboração direta da população, mas continua existindo, inclusive, com apoio dela, independentemente do acesso à informação ou do quanto é evidente as consequências desse apoio.

Num texto publicado no seu Facebook pessoal, Jota Mombaça fala de uma política da escuta que constitui o privilégio. Trata-se, para a autora, de um filtro bloqueando a possibilidade de reavaliação da contribuição do sujeito para as normatividades, mesmo em contato com argumentos e evidências que, em outros contextos, sensibilizariam até uma pedra.

“(Privilégio é), por definição, uma forma de ignorância – que não tem a ver só com falta de acesso a conhecimentos, ou falta de oportunidades de aprendizado, mas com uma série de convicções e práticas ocupadas na reprodução constante de uma escuta que visa negar (ou assimilar parcialmente) tudo aquilo que tem o potencial de problematizar esse estado permanente de não questionamento que garante a manutenção das posições de privilégio. Ou seja, a ignorância das posições privilegiadas não é de modo algum uma falta (de sabedoria, inteligência, consciência ou coisa do tipo), mas um procedimento ativo, uma forma de pensar e ver o mundo, uma ética e uma maneira de agir e relacionar-se. No limite, todo privilégio – para se manter intacto – depende da manutenção dessa ignorância, da atualização desse ponto-cego, e frente a isso, às vezes, não adianta mesmo argumentar, não adianta tentar conversar porque não há espaço para pensar junto. Nada disso é sequer sobre pensar. É sobre escutas impermeáveis, arrogância epistêmica, burrice premiada e autoestima delirante”.

Assim, a transfobia, o feminicídio e o racismo constituem-se como violências, não como erros.

São violências porque não descumprem as normas. Está estabelecido, entre o Estado e os sujeitos, um acordo sobre a operação da necropolitica. Ora essa operação é feita pelos sujeitos subordinados à norma, ora é feita pelo Estado e apoiada/demandada pelos sujeitos. Isso depende apenas de quanto é urgente domesticar ou aniquilar certos corpos.

Foi assim, por exemplo, no caso da Operação Tarântula, quando – em 80 – travestis prostitutas eram presas/torturadas/mortas para avaliação da sua “periculosidade” pela polícia. Após a suspensão dessa medida, a população se armou e passou, ela mesma, a torturar e assassinar as travestis em massa.

Portanto, me recuso a tratar transfobia, misoginia ou racismo com condescendência, como se fosse um erro inofensivo.

_________________________________________
PS: ÓBVIO que isso não é sobre o tiozinho na esquina me tratar no masculino. É sobre realmente quem tem acesso à informação (evidências e argumentos), mas não a usa para avaliar a própria postura. É como questionou a Gabriela Moura num artigo dela pro Le Monde:

“Quando falamos em racismo estrutural, precisamos lembrar que estruturas são compostas por indivíduos, e não lavar as mãos como se a palavra “estrutural” significasse um local distante, utilizado como um álibi. Para ilustrar o que digo, segundo pesquisa do Instituto Data Popular: 92% dos brasileiros afirmam haver racismo no país, enquanto apenas 1,3% se considera racista. Onde essa equação não fecha?”

Imagem: Cristo Rey (Dir. Leticia Tonos, da França).

Written by Beatriz

Leave a comment