LOGO
“Sexo Biologicamente Feminino”, ou os Refluxos Reacionários da Metafísica Sexual inae imagem Full view

“Sexo Biologicamente Feminino”, ou os Refluxos Reacionários da Metafísica Sexual

Por Inaê Diana Ashokasundari Shravya.

“Não há verdade anatômica independentemente de práticas culturais e políticas de repetição coercitiva, que nos levam a ser homens ou mulheres”

Paul Preciado

Feministas reacionárias trans-excludentes querem que a lei Maria da Penha atenda especificamente pessoas do “sexo biologicamente feminino”. Mas o que vem a ser “sexo biologicamente feminino”? 

O feminismo reacionário trans-excludente apresenta-se galhordamente como um feminismo materialista. Uma abordagem materialista, entretanto, permitiria entender que não há um “sexo biologicamente feminino”, mas uma associação conjuntural entre atributos físicos e relações econômicas, o que é da ordem do social. Entender o sexo como produzido pelo gênero implica entender que um determinado atributo físico é abstratificado de sua concretude – um todo indiferente às categorias sociais – para se tornar um significador, uma marca da diferença. Que determinados corpos possuem a capacidade anatômica de engravidar, disso não discordamos. A discordância encontra-se entre a associação direta entre a capacidade anatômica de engravidar – portar um útero, trompas de falópio e canal vaginal – e ser mulher. Quer dizer, a biologia não é um destino e a feminilidade é construída e associada – pelas relações sociais próprias do sexismo – a corpos com vagina. Daí alguém poderia objetar: “mas o ser humano tem dois sexos e isso é evidente!”. Bom, é preciso tomar um certo cuidado com supostas evidências, a não ser que você seja um/a liberal, para quem a ideologia da igualdade (“todos somos iguais; se há algum problema, é da ordem do natural”) faça sentido. Também possuímos cores de olhos, formatos da orelha, pés, mãos, nariz, barriga, pernas etc., diferentes, e eles não se tornam igualmente relevantes ao sexo. Quando por acaso se tornam relevantes, é sempre em pertença a um membro de determinado grupo social oprimido. Danielle Juteau-Lee no prefácio ao livro “Racism, Sexism, Power and Ideology” [“Racismo, sexismo, poder e ideologia”, que estou traduzindo com muito tesão], da feminista materialista francesa Colette Guillaumin, afirma que “não é porque se é fêmea que se tem o corpo apropriado [pelo patriarcado capitalista], mas porque se tem o corpo apropriado é que se vem a ser fêmea; e, logo designada pelos genitais femininos, fêmeas se tornam mulheres”. 

A afirmação duma determinada diferença da ordem histórico-cultural como sendo biologicamente determinada, é o que se costuma chamar de essencialismo, “uma crença no real, na essência verdadeira das coisas, nas propriedades invariáveis e fixas que definem a ‘quididade’ duma dada identidade”, segundo Diana Fuss. Se esvaziarmos a feminilidade de sua historicidade, atribuindo-lhe um caráter a-histórico, naturalista, o que se tem é essencialismo. Andrea Dworkin, feminista radical estadunidense bastante citada por feministas reacionárias trans-excludentes, chega a afirmar em “Woman Hating”, que o gênero é uma ficção, isto é, é produzido, sendo ele quem confere significado social aos genitais. Noutro livro seu, um conjunto de ensaios, ela chega a escrever sobre essas feministas reacionárias, assinalando para o determinismo biológico presente entre elas. Dworkin seria uma leitura interessante, se e tão somente se ela não incorresse em moralismo quanto à prostituição e à pornografia, uma posição bem deplorável, pois abandona os bons argumentos que apresenta em textos seus sobre outras temáticas como o incesto e a zoofilia, por exemplo. 

A apresentação do sexo como um dado inquestionável, como o que define o grupo social “mulheres” decorre da substituição grosseira do materialismo pelo substancialismo, quer dizer, da afirmação da metafísica sexual em contraposição à exposição da historicidade dos processos de sexualização dos corpos. Negar o gênero não resolve o problema do sexismo, tampouco dá cabo de entender seu comparecimento ao lado do racismo, do capacitismo e do capitalismo. A negação do gênero, enquanto aquilo que atribui um significado social a um atributo físico arbitrariamente escolhido, resulta no acobertamento dos processos de naturalização do sexismo. Daí de não se entender que, se mulheres trans passam pelo que passam, é por serem parte do grupo social “mulheres”. Querer a exclusão de mulheres trans é insistir na manutenção do sexismo, porquanto ainda haverão mulheres sofrendo violências. É preciso cuidado, pois, como bem salienta Butler, “na luta pela emancipação e democratização podemos adotar os modelos de dominação pelos quais fomos oprimidas, não percebendo que um modo da dominação funcionar é mediante a regulação e produção de sujeitos”. Não se trata de meramente negar ou recusar a noção de “sexo biologicamente feminino”, mas de pôr um pressuposto em questão, o que, para Butler, “não é a mesma coisa que o suprimir; antes é libertá-lo de sua morada metafísica a fim de ocupar e servir objetivos políticos muito diferentes. Problematizar a matéria dos corpos acarreta, em primeiro lugar, uma perda de certeza epistemológica, mas essa perda de certeza não tem por resultado necessário o niilismo político”. Libertar o sexo de sua morada metafísica é reconhecer que a sua história é a história da constituição política e econômica das sociedades contemporâneas

Não entrarei, neste texto, numa análise sobre a lei Maria da Penha e se ela é efetiva ou não, por não querer incorrer em possíveis equívocos, além de exigir uma análise mais detalhada, embora eu particularmente concorde com a formação de grupos de defesa coletiva como possíveis formas de resposta ao problema da violência sexista. 

O caso é que o “nós, mulheres” poderia envolver a construção duma unidade, uma mutualidade feminina (UNIPA), que não resida numa substância comum, mas no entendimento de que somos formadas por relações sociais bem concretas e cotidianas, como sugeriram um dia Guillaumin e Lélia Gonzalez. 

Written by Beatriz

Leave a comment